Frio

 
O frio tornou dura a alma,
  Fruto cristalizado pelo gelo,
 A qualquer momento pode estilhaçar.
Não se aconselham toques afáveis,
 Na ardência polar.
Invadidos os ossos e carne,
A flexibilidade 
Em espectáculo decadente.

Resta talvez,
 Vaga esperança,
Que o inverno seja o útero,
De uma primavera em dança.
  Que a aproximação do astro real,
Seja por fim, 
 Claro sinal,
Ao recolher da amargura
E ao adeus desta tortura






2 comentários:

  1. O Natal já lá vai!

    Um BOM ANO de 2012

    para si!

    Saudações minhas.

    ResponderExcluir